Hoje dialoguei com o Diabo.


Já falei com Santo Antônio, hoje dialoguei com o Diabo. Nesta quinta-feira santa vou deixar registrado em escrita, no dia 1 de Abril 2021 dedico minha devoção ao Diabo. Subverto seus paradigmas desde bem antes de saber o que “subverter” e “paradigma” significam.

Me entrego em devoção aos Orixás, e trabalho constantemente em busca da minha evolução espiritual e dos que estão à minha volta. E caso não tenha entendido nada do que eu disse até aqui, é porque tudo que digo está dito em enigmas. Para entender, vai precisar assumir o Diabo dentro de você.


Está pronto?

Pois bem, o inferno não virá até você. Você irá de encontro a ele, você tem a chave dele, ele foi construído por você. Todas as trancas, armadilhas, sentinelas, abismos, vales, construídos de dentro para fora, como uma semente que vira uma árvore, e seu primeiro alicerce sendo a corrupção de seu coração, a fenda onde essa semente será plantada, cuidada. Seus vigias, pecados em devoção, nutrirão constantemente essa semente.


Não me venham falar em moral, a moral nada mais é que a hipocrisia daqueles que não têm coragem de ser o que querem ser. Valores não são morais, valores são atemporais, construídos ao longo da jornada em uma viagem longa de escolhas e consequências.


No inferno enfrentaremos, tudo aquilo que deixamos de lado, jogado, abandonado, será colocado diante de todos nós, nossos sonhos não realizados, e aqui não estamos falando de quem o prejudicou, ou de sonhos que não aconteceram por diversos motivos, você sabe bem do que eu to falando. Tô falando de enfrentar seus maiores pecados, sentimentos e ações que você sabe que tomou, e eu também sei.


Porque da mesma forma que você, eu sou um pecador. Eu vou enfrentar meu inferno, pois também sou meu salvador, meu próprio Deus. Porque olho para a palavra DEUS e dentro dela também tem EU.


“Mas não quero mais enigmas que o suficiente para que o labirinto seja engraçado, ao menos para mim, meu próprio Diabo.”


Desça pela toca do coelho, disse o Diabo a Alice. Nossa, me desculpem, não é isso que o livro conta. Desça pela toca do coelho, Alice disse a si mesma, pensando em ter visto um coelho com relógio de bolso, dizendo estar atrasado.


Rapidamente o Diabo entra em sua mente, e nada mais faz sentido, podemos nos perder em meio a qualquer coisa, em meio ao devaneio, em meio ao pensamento luxurioso. Quando começo a pensar em meus próprios desejos mais íntimos, posso já estar em outro lugar, não é? E agora, o que pensou?


Você acredita que o Diabo é o pai da mentira? Acreditando nisso, vou perguntar: já mentiu deliberadamente? E a piada diabólica tá feita, e aí riu? não? vamos continuar então.


Em algumas religiões o Diabo é apresentado com uma repulsa pela humanidade. Então vamos lá: já fechou o vidro no sinal, atravessou a rua, ou virou a cara em uma calçada para uma pessoa, não porque você realmente tinha medo, mas porque sentia uma repulsa pela cena?

Olha, não foi o Diabo que fez isso, entende? Não foi mesmo! Isso é da sua mente, isso é seu.


“O Diabo está corrompendo sua mente”. “Ele entra na mente de quem ele quer”. Quem nunca ouviu isso? “O Diabo é Sorrateiro”, “vil”, “covarde”, “orgulhoso”, “pai da luxúria” e "cruel''. Fácil cuspir todas essas palavras quando falamos do Diabo. Difícil quando o contexto é outro. Quando precisamos olhar para nós mesmos sem filtro ou maquiagem.


Quando comecei a fazer perguntas como essas que fizemos agora, comecei a adorar o Diabo. Porque foram meus antepassados que comeram a maçã, não a cobra.


Começo a rir toda vez que me deparo com pensamentos que não escrevo onde posto. Toda vez que me vejo diabólico demais para a sociedade que me observa. Olho para meu maior compadre de jornada, e nele nada disso importa, ele não tem essa moral envernizada, que ainda me tem de alguma forma. E ao me propor conversar com o Diabo em mim me deparo com Exu, Guardião do caminho, o próprio caminho para alguns muitos. Exu é quem me protege de mim mesmo, defensor maior da minha essência. Executor da minha sentença, protetor da minha morada.


Sou morada da execução e me comprometi comigo mesmo ao trabalhar com o Exu, que não mais acreditava no Diabo, como algo fora de mim, algo que está além da minha própria mente, fazendo com que minha religião nem mesmo acredite no Diabo. Imagino que você esteja se perguntando: “mas ele não falou no início do texto que adora o Diabo?”

E minha resposta será mais um enigma não muito difícil:

Adoro o Diabo, e ele não mora em outro lugar além da minha própria mente. Não acredito no Diabo porque o Diabo não existe, como ente. E cuidado ao mexer com o Diabo, ele vai sempre cobrar um preço.


Pago o meu preço com amor, gratidão, caridade, devoção aos mandamentos dos meus ancestrais espirituais. Sou assim Dualidade em movimento, e o tempo que me antecede não é tempo, e o tempo que me precede também não é tempo. Assim, Exu me ensina fora da linha, fora do tempo, mostrando que antes de tudo precisamos de conhecimento, para não corromper o próprio fundamento.


Feliz Dia da Mentira, e se quiser, descubra em você suas próprias mentiras. Descubra o que está construindo com sua energia e poderá dar a direção mais coerente a suas escolhas. Não mais construindo o inferno de ilusão. Axé a todos, Saravá, Boa noite.