O Um e ou Outro e o resultado no Eu


O Um!!

Na pedreira tem morada,

Governa com seu Brado o romper da alvorada

Descansa seu machado ao pé da encruzilhada

É rei na cachoeira, benevolente porém justiceiro, guerreiro.

Senhor da minha vida, dono do meu destino.

Kao Kabecile Salve meu Pai Xangó.

O Outro!!

Dono da estrada, senhor da minha jornada.

Morador da encruzilhada, cobrando na madrugada.

Seu olhar enxerga todas as caminhadas

Não descansa seu tridente nem na sua própria morada

Senhor da minha história, amigo da minha glória

Saravá o mojuba Salve Sr. Obara

O Resultado no Eu


Represento o encontro

Do mais nobre Rei, o senhor dos senhores.

Com o mais humilde Senhor, o rei dos reis.

Sou a encruzilhada na Pedreira, ou a pedreira na sua encruzilhada

Sou a própria encarnação do Diabo.

Pois duvido do Céu todo o tempo.

E mesmo assim sou tão irmão de Jesus.

Pois faço da sua palavra meu norte para sua morada.


Sou a dicotomia, hipocrisia, sou verdade, sou mentira.

Sou a rua no clarão da madrugada, sou Meia Noite na encruzilhada.

E quem me julga?!

Podia se perguntar onde se encaixa em minhas palavras.

Por que uma coisa temos igual.

Cada um é o Juiz e Executor da própria sentença.

Da terra só se leva a vivência.