O Sol: nove de ouros, cavaleiro de espadas e oito de copas


Entraram na lanchonete quase que ao mesmo tempo, sol nascente. Ambos renascidos das próprias mazelas cotidianas pra matar o leão do dia. Dourada e alegre, no caminho pro trampo, não resistia a um bom café que não tivesse sido coado por ela. Ele, por sua vez, vinha de uma noite em claro debatendo com argumentos brilhantes em posts (a)políticos de facebook, formidável maneira recém-encontrada de comprar a própria mente e convencer-se da própria relevância social.


Eram breves minutos aqueles, a gente sabe. O tempo de pagar o expresso no caixa, talvez também um pão de queijo pro café não ser tão solitário... sentar-se num daqueles banquinhos redondos de balcão e perder-se de si pensando nos afazeres do dia. Aquelas coisas importantíssimas a resolver, as contas a pagar, o emprego a manter, as bocas pra alimentar, a moral a corresponder, detalhes que não farão a mínima diferença daqui a duzentos anos, mas que hoje ocupam o foco com aquela ferocidade que só as necessidades mais básicas de ser-humano-no-mundo-de-hoje conseguem urrar na nossa cara.


Nós todxs... tão iguais, tão diferentes. Tão iguais nisso, tão diferentes naquilo. Tão iguais nisso, e ao mesmo tempo vivendo isso de formas totalmente inesperadas... que me perdoem xs pessimistas, mas a espécie humana segue sendo pra mim um mistério absolutamente excitante. Um mistério que mata e morre, é verdade. E ainda assim inédito a cada encontro randômico numa lanchonete qualquer. Mas estou me distraindo do assunto, como sempre.


Lá estão elxs. Ela foi de café com pão de queijo, ele só o pretinho mesmo, duplo e sem açúcar. Próximos como esses banquinhos são, não me surpreende que rocem os cotovelos, esbocem sorrisos meio amarelos ("será que tô com bafo? escovei os dentes que nem vi...") e, olhando pra TV que anunciava queimadas e calor demais, comentem:


- O tempo, viu... esse tempo vai esquentar.


- Verdade, é nessas horas que eu agradeço a Deus pelo ar-condicionado.

- A Deus? Ponto de vista interessante esse... pra mim o cara tinha feito só a Natureza mesmo.

- ...

- Foi uma piada. Desculpa, sou péssimo nisso. Desculpa, sério. Sou ateu e tal...

- Ah não, tudo bem, não é como se eu fosse começar a defender Deus aqui. Muito pelo contrário, se podemos medir o êxito de algo pelos bons frutos que dá, tenho más notícias pro nosso senhor!


Mais risos amarelos. Talvez agora não tão amarelos, vai. Ele havia achado a resposta realmente boa pros seus padrões intelectuais; já ela achou perspicaz a pergunta, quando sua fala pretendera uma interação tão trivial, plenamente esquecível, mesmo. Bom, não foi.


No caminho pro trabalho, ela se perguntava porque raios insistia em repetir frases de ouvir dizer, clichêzinhos mestres em abrir espaço nos vazios da companhia do Outro. Grata a Deus pelo ar-condicionado? Não, ela não era. Houvesse do outro lado alguém menos interessado em provar um ponto, com certeza ela não estaria ali agora refletindo sobre o modo como se comunicava com as pessoas. Acabou concluindo que às vezes lançava migalhas de lugar-comum por onde passava, pra ver se brotava dali um contato válido, a constatação de que outra alma vivente e pensante e presente habitava o mesmo espaço que ela. Dessa vez, brotara. Que sorte! Sempre bom atestar que não sobraram apenas autômatos bem vestidos e instagramáveis nesta terra.


No caminho pro trabalho, ele tentava lidar com a sólida premissa que caíra na sua cabeça com a resposta da moça. Fazia todo sentido, caramba! "Medir o êxito de algo pelos bons frutos que dá", quem será que havia inventado isso? Quanto pé-no-chão! Aquela nova percepção, que mais parecia uma velha Verdade que um dia ele havia conhecido, mas que se houvera perdido sob a poeira do tempo passado em frente ao celular, colocava agora em xeque a raiva que corria em suas veias, aquela que clamava por vingança dos debates que perdeu. "São palavras, cara, são só palavras... cadê os frutos?", perguntava pra si mesmo enquanto balançava a mão pro ônibus parar no ponto. E então ele parou.

Minas Gerais, Brasil

  • Instagram

©2020 por Oásis Aflora, criado com Wix.com